Sobre a Canção Francesa

Impossível não conhecer uma clássica canção francesa, como La Vie En Rose, La Bohème, Ne Me Quitte Pas… São muitas as músicas em língua francesa mundialmente famosas, mas você sabia que a tradição da chanson é mais antiga do que a gente imagina? O termo começou a ser usado na Idade Média, para referir-se à música secular (não religiosa) baseada no canto. A partir do século XIX, o termo chanson française passou a significar um gênero musical específico que era definido, principalmente, pela valorização da língua francesa, com alusões aos mestres e modelos herdados da literatura poética em francês. A bem dizer, o nome “canção francófona” ou “canção em francês” seria mais adequado, pois a chanson française encontrou voz em diversos países de língua francesa, e não apenas na França.

Foi no início do século XX que a chanson française ganhou a força que tem hoje, com o surgimento de ícones da música como Charles Trenet, Édith Piaf, Charles Aznavour, Jacques Brel… Ao longo dos anos, as canções foram se reinventando, novos ritmos foram surgindo, assim como novos nomes: Sylvie Vartan, Dalida, Serge Gainsbourg, Françoise Hardy e tantos outros. Hoje em dia, a canção francesa não se limita mais a um único estilo ou local: do Canadá da pianista Coeur de Pirate ao Mali da dupla Amadou e Mariam, passando pela Bélgica de Stromae e de volta para a França de Zaz, Angèle e Louane. Como o mostram seus novos ícones, a canção francófona é tão plural quanto as culturas dos diversos povos unidos pela língua francesa.

Inspire-se e descubra um pouco mais essa diversidade com a playlist do Festival: