Joséphine Baker | Uma playlist What The France para a sua entrada no Panthéon !

Em 30 de Novembro de 2021, a cantora, actriz, bailarina e showgirl franco-americana Josephine Baker (1906-1975) tornar-se-á a sexta personalidade feminina, mas também a primeira mulher de cor, a ser admitida no Panteão. Esta é uma oportunidade para a What The France olhar para trás na excepcional carreira desta mulher que, além de ser uma artista mundialmente famosa, foi também combatente e espiã da Resistência durante a Segunda Guerra Mundial, antes de tomar uma posição contra o racismo e o anti-semitismo.

Nasceu a 3 de Junho de 1906 no Missouri, com o nome de Freda Josephine McDonald, começou a dançar e juntou-se à Jones Family Band em 1920, antes de partir para Nova Iorque. Em 1925, chegou a Paris e causou uma sensação ao dançar o Charleston na primeira parte da “Revue nègre” no Théâtre des Champs-Elysées. Tornou-se então líder de revistas no Folies Bergères, e mais tarde também cantora e actriz de cinema. Em 1937, casou com o empresário Jean Lion e obteve a nacionalidade francesa. Durante a Segunda Guerra Mundial, juntou-se à Resistência e tornou-se agente de informação do serviço francês de contra-espionagem, pelo qual recebeu a Medalha da Resistência em 1946, a Medalha da Cidade de Paris em 1956 e a Legião de Honra em 1961. Nunca saiu do palco até à sua morte a 12 de Abril de 1975 em Paris, aos 68 anos de idade, quando ainda em digressão para celebrar os seus 50 anos de carreira.

Artista multifacetada e mulher empenhada, Josephine Baker deixou uma marca duradoura na música do século XX, graças às suas muitas canções que deram a volta ao mundo. Tudo começou com a canção “J’ai deux amours”, que foi o seu primeiro sucesso em 1930, acompanhada por Adrien Lamy, com letra de Géo Koger e Henri Varna sobre uma composição de Vincent Scotto. Note-se que após a guerra ela tomou a liberdade de modificar a letra numa nova versão, transformando a frase “”J’ai deux amours, mon pays et Paris…” em “”J’ai deux amours, mon pays, c’est Paris…”. Esta canção será também coberta por Madeleine Peyroux em 2004, depois Dee Dee Bridgewater em 2005, bem como por Zaz no seu álbum “Paris” em 2014, conhecerá também uma adaptação em alemão de Max Raabe (“Ich bin ja nur eine Laune von dir”) e em polaco de Mieczysław Fogg (“Mały biały domek”). Recordaremos também a sua memorável actuação de “La petite tonkinoise”, também em 1930, que se baseia noutra canção composta por Vincent Scotto e escrita por Henri Christiné, popularizada já em 1906 pelo cantor francês Pierre-Paul Marsalés alias Polin. A actriz polaca Anna Held já tinha adaptado a canção para inglês, sob o título “It’s delightedful to be married”, e foi também cantada pela actriz alemã Luise Rainer numa cena do filme “Le Grand Ziegfeld” (1936), antes de ser novamente coberta em francês pela actriz e cantora espanhola Sara Montiel (1961). Posteriormente, Joséphine Baker interpretou numerosas normas francesas e internacionais, trazendo cada vez o seu toque pessoal às obras que revisitou.

Na nossa playlist “Joséphine Baker Forever”, oferecemos-lhe uma selecção de algumas das suas canções mais memoráveis, abrindo com as duas versões do seu hino “J’ai deux amours”. Cada canção é seguida de várias adaptações, desde a versão original até à música contemporânea. Durante esta viagem musical, ouvirá as vozes inesquecíveis de Edith Piaf, Mistinguett, Charles Trenet, Ray Ventura, Juliette Gréco & Mélody Gardot, Zaz, Viktor Lazlo, Aileen Stanley, René Marquay, Bobby Capo, Chimène Badi, Alibert, Domenico Modugno, Rina Ketty, assim como Ella Fitzgerald & Louis Armstrong e Les Compagnons De La Chanson.

The post Joséphine Baker | Uma playlist What The France para a sua entrada no Panthéon ! appeared first on What The France.

Newsletter Updates

Enter your email address below to subscribe to our newsletter

Deixar uma resposta